quarta-feira, 14 de setembro de 2011

Nossa Senhora de Pentecostes, rogai por nós que recorremos a vós!


Nossa Senhora de Pentecostes, rogai por nós que recorremos a vós!

“Os discípulos unidos perseveravam em oração com Maria, a Mãe de Jesus” (At 1, 14)

Nossa Senhora de Pentecostes é a Padroeira da Fraternidade Jesus Salvador. Nosso Pai Fundador quando encomendou o ícone que a representaria quis que sua representação fosse no Cenáculo, mas diferentemente de Nossa Senhora do Cenáculo que está sentada no meio dos apóstolos, em nossa representação ela está em pé, como assunta. Maria preside o Pentecostes, como figura maior da Igreja, ela está no meio dos apóstolos e evangelistas como aquela que serve, e seu serviço é estar junto como os temerosos que ainda não compreendem a ressurreição do Senhor Jesus. Como assunta, ela já vive como cidadã do céu.
Ela é nosso modelo porque reza clamando o Espírito para viver sua vida como um Louvor de Deus, e viver a vida como um Louvor de Deus é viver como cidadão do céu, como aqueles que vivem nesse mundo sem ser do mundo (1 Cor 7, 31). Porém não é uma alienação, mas acolher em si a oração de Jesus: “Não peço que os tires do mundo, mas que os guardes do Maligno” (Jo 17, 15).
Os discípulos enquanto aguardam o ressuscitado estão de portas fechadas por medo dos judeus (cf. Jo 20, 19). Esse medo nos acompanha como seres humanos que estão para morrer, e somente o Espírito Santo nos dá a coragem para anunciar sem o medo da morte, Nossa Senhora de Pentecostes, assunta que é, deve ser um consolo em nossa vida de discípulos temerosos. Mas é necessário assumir que estamos com medo, uma coragem falas, uma coragem da boca para fora não é a Parresia verdadeira que provém do Espírito, por isso é dever assumir o próprio medo para deixar o Espírito agir, e que Nossa Senhora de Pentecostes interceda por nós para que assumamos que necessitamos estar no cenáculo com Ela, e que joguemos fora toda auto-suficiência falsa.
A oração litúrgica para Nossa Senhora de Pentecostes resume bem sua relação ao carisma Louvor de Deus, a perseverança em oração com ela, e sob sua intercessão, deve nos fazer fiéis no serviço a Deus, nos faz verdadeiros servos de Jesus Salvador, pois podemos irradiar a glória do Nome de Deus, sua presença salvadora, em palavras, e aí o carisma, em exemplos, que nossa vida proclame a santidade do nome de  Deus.


São José, nosso Pai e Protetor


São José, nosso Pai e Protetor

“Eis o servo fiel e prudente a quem o Senhor confiou a sua casa” (Lc 12, 42), Antífona da Missa da Solenidade de São José, 19 de março.

Tradicionalmente São José é invocado como “pater et custos” de Jesus, o homem prudente que quando soube que Maria estava grávida, para evitar que ela fosse apedrejada segundo a lei, enquanto decidia recebeu aviso de Deus para assumi-la (cf. Mt 1, 20). Também a fidelidade a Deus, colocar a vida sobre Deus nesse mesmo caso o torna um verdadeiro fiel. É a partir de ser um verdadeiro servo de Deus fiel e prudente que São José pode ser pai e protetor de Jesus, São José se torna um verdadeiro servo de Jesus Salvador. Mesmo no silêncio, ele toma decisões segundo Deus para agir com prudência e fidelidade. São de decisões a exemplo de São José que poderemos ter ações imersas na graça e assim se tornarem ações que louvam a Deus. O nosso serviço de Louvor de Deus, deve ser um serviço fecundo, um serviço que brote de decisões que vem da graça de Deus, fora isso nossas ações seriam ativismos vazios. São José poderia ter cumprido a lei, como um hipócrita, mas não o fez, preferiu pensar e tomar uma decisão justa com relação a Maria. Isso sim é um verdadeiro servo de Jesus Salvador, um servo que sabe decidir e que tem fecundidade espiritual para poder cuidar verdadeiramente de um filho concebido pelo Espírito Santo. Por outro lado, não é servo mau e preguiçoso, poderia ter sido um omisso perante o fato de Maria estar grávida, ele é servo de Deus, mas não é um subserviente como o servo da parábola dos talentos (cf. Mt 25, 26), que se deixa mover pelo medo, mas pelo amor serviçal que produz vida, São José ama o seu Senhor, que é seu filho, e é nesse amor ele o serve. Esse deve ser o modelo de todo servo de Jesus Salvador.
Como Fraternidade deve sempre ressoar em nossos ouvidos a frase de Santa Teresa de Jesus:

“...tomei por advogado e senhor o glorioso São José (...) Não me lembro até hoje de ter-lhe suplicado algo que ele não tenha feito (...) Quem não encontrar mestre que ensine a rezar tome por mestre esse glorioso Santo, e não errará no caminho” Livro da Vida 6.

São Miguel Arcanjo: Príncipe Defensor da Fraternidade Jesus Salvador


São Miguel Arcanjo: Príncipe Defensor da Fraternidade Jesus Salvador

São Miguel é um dos três arcanjos nomeados na Sagrada Escritura, juntamente com são Gabriel e são Rafael, considerado como aquele que após passar pela provação, lidera os anjos bons na batalha contra Satanás e seus anjos, e os expulsa da presença do Altíssimo (cf. Ap 12, 7-9). Etimologicamente Miguel quer dizer “Quem como Deus?”, diferentemente do grito arrogante da Besta do Apocalipse que grita: “Quem é comparável à Besta?” (Ap 13, 5), São Miguel toma a defesa dos direitos de Deus. Lembrando sempre que somente Deus é Deus, como não há dualismo na Sagrada Escritura, não há oposto de Deus, por isso cabe aquele que proclama só Deus é Deus combater contra Satanás. Ele é invocado como Defensor porque ele é o Defensor do Povo de Deus (cf. Dn 12, 1).
Nosso Pai Fundador, Pe Gilberto, escolheu São Miguel como Defensor da Fraternidade. Qual a relação de são Miguel com o carisma do Louvor de Deus? Lembrando que Louvor de Deus é vida unida a Deus pela graça e que louva a Deus, como já foi postado. Somente uma pessoa que assume-se o que é, criatura de Deus e que proclama que só Deus é Deus, que é a essência do Louvor, pode viver o Louvor de Deus.
Vivemos numa sociedade que valoriza a aparência e o ser humano numa vaidade sem fim vive em função da opinião dos outros. Nada melhor que o grito do Arcanjo, “Quem como Deus?”,  para lembrar ao ser humano hoje que somente na medida que assumimos nossa humanidade, como ele assumiu o ser criatural, começa-se a percorrer o caminho do Louvor de Deus. Passamos por horrores como o Nazismo na Alemanha, um mal como esse só brota de corações que queriam o poder pelo poder, e que despersolizavam as pessoas, reduzindo-as a objetos. A morte era a lei. Por isso nunca o grito do Arcanjo deve desaparecer de nosso meio.
Também a luta contra Satanás deve percorrer esse itinerário. Ele como é chamado pelo povo de o “macaco de Deus”, como o grito da Besta do Apocalipse, quer ser como Deus, quer ter um poder somente pelo poder. Quer tentar o ser humano no mesmo sentido, como a serpente fez com Eva, torna Deus um mentiroso e diz que eles não morrerão e serão como deuses (cf. Gn 3, 4-5).
A luta contra Satanás e seus anjos, não vai ser através de ordens autoritárias ou shows televisivos, a luta passa em primeiro lugar no interior de cada um, quanto mais a humildade do Arcanjo triunfar em nós, uma só palavra bastará, um suspiro por amor a Deus, como diz Santa Teresa, bastará para vencer o inferno inteiro. Exemplo nesse mesmo sentido é a humildade de Maria Santíssima, não é a toa que ela é tão temida pelo demônio.
Por isso, rezemos para que São Miguel nos defenda de todo mal e sigamos seu itinerário de fidelidade a Deus.
A novena de São Miguel Arcanjo começa dia 20 de setembro.